Fim do tratamento

Como posso falar com os meus familiares e amigos sobre esta fase do meu câncer?

#

As conversas sobre o fim de vida são das mais difíceis que alguém pode ter. Esta página foi criada para oferecer aconselhamento sobre como ter estas conversas e apoiar a sua família durante estes momentos e quando o paciente já não fizer parte da vida deles.

Tendo em conta que o fim de vida é tão pessoal, muitas pessoas consideram a ideia de compartilhar estas informações muito difícil, pois ficam preocupadas em causar angústia nos outros.

Reunimos alguns conselhos sobre como abordar estas conversas difíceis a seguir. Acima de tudo, embora esteja compartilhando informações difíceis, é importante lembrar de que não há qualquer problema em também estar perturbado. Ser sincero em relação às suas emoções e pensamentos irá ajudá-lo a ter conversas significativas neste momento em que tanto importam.

Contar a eles foi uma das coisas mais difíceis e gratificantes

Falar com familiares e amigos adultos1

  • Fale pessoalmente (se possível): se tiver amigos ou familiares próximos que vivem longe, pode ser mais difícil. No entanto, sempre que possível, é melhor ter estas conversas pessoalmente. Tente encontrar um local sossegado para se sentarem. Talvez seja melhor optar por um local privado se achar que as pessoas vão ficar muito perturbadas e que podem ficar inibidas com a sua reação. Não se sinta culpado por pedir a um ente querido que compartilhe esta informação em seu nome caso se sinta mais confortável em proceder desta forma
  • Não adie conversas à espera do momento mais indicado: seja direto com o que pretende transmitir e não aguarde por uma pausa para começar
  • Seja específico e rigoroso: diga às pessoas o que os médicos lhe disseram em relação ao seu câncer e respectivo prognóstico. Se quiserem saber detalhes adicionais, você pode compartilhá-los ou mantê-los privados. A decisão é sua, mas é normal que as pessoas tenham muitas dúvidas
  • Seja sincero e paciente: não tente fazer de conta que está tudo bem. Mesmo que tenha aceitado a ideia do fim da sua vida, as outras pessoas podem demorar algum tempo a fazer isso
  • Esteja preparado: todas as pessoas terão reações diferentes, mas é provável que muitas fiquem perturbadas, em choque ou que chorem. Algumas pessoas até podem ficar em negação ou zangadas. Nestes casos, é bom compartilhar informações específicas sobre a sua experiência com o câncer até ao momento, de forma a compreenderem toda a história
Talking to children and teenagers about cancer

Falar com crianças e adolescentes

Falar com qualquer pessoa sobre câncer é sempre um desafio, mas pode ser ainda mais difícil quando se trata de falar com crianças ou adolescentes, sobretudo quando estas conversas envolvem falar sobre o fim de vida. Reunimos algumas sugestões a seguir:2,3

  • Seja sincero e específico: pode parecer difícil, mas diga às crianças o que está acontecendo de uma forma direta. Sente-se com a criança em um momento calmo e peça a outro adulto para estar presente se achar que isso pode ser benéfico
  • Utilize uma linguagem simples e clara: tente falar com as crianças de uma forma que estas entendam, mas, acima de tudo, de uma forma com a qual esteja confortável
  • Adapte a sua abordagem: as crianças se desenvolvem rapidamente e algumas terão uma maior consciência da morte do que outras. Além disso, tenha em consideração que as crianças com incapacidades ou anomalias de desenvolvimento podem ter mais dificuldades em compreender e, nestes casos, pode ser necessário utilizar uma abordagem diferente
  • Esteja preparado para responder a perguntas: as crianças pequenas não possuem o mesmo conceito de permanência ou morte que as crianças mais velhas. Estas podem perguntar o que significa morrer, o que acontece às pessoas quando morrem, etc. Esteja preparado para responder a perguntas como estas e não tenha receio de dizer que não sabe a resposta a perguntas sobre o futuro

Como apoiar os seus entes queridos nesta fase

Além de ter conversas importantes sobre o fim de vida, existem diversas formas de apoiar de forma prática e emocional os seus entes queridos, garantindo que trata de determinadas situações para quando tiver morrido.

A seguir, você pode encontrar algumas sugestões:

Apoio emocional

  • Escreva cartas aos seus entes queridos de forma a terem algo pessoal para recordarem
  • Criem caixas de memórias em conjunto e depositem nelas lembranças, fotografias e histórias sobre momentos especiais
  • Planeje viagens e eventos especiais com os seus entes queridos
  • Se for religioso, procure o seu líder espiritual ou o líder da comunidade em conjunto com os seus entes queridos
  • Planeje um local especial em conjunto para organizarem uma homenagem que poderão visitar no futuro; este local não tem de ser obrigatoriamente uma sepultura, podendo ser uma placa, um banco ou até um lugar ou árvore especial. O objetivo é ser um local significativo para vocês (consulte as autoridades locais com antecedência em relação à instalação de placas ou bancos)
  • Reserve algum tempo para conversar e compartilhar histórias de vida
  • Certifique-se de que a sua família tem uma rede de entes queridos e amigos para a ajudar a lidar com o luto. Isto também pode incluir vizinhos para um apoio mais próximo
Subestimei a importância de apenas me sentar e falar

Apoio prático

  • Certifique-se de que qualquer apoio e questões financeiras estão tratados. A sua família pode ter direito a determinados benefícios ou pagamentos de seguros de vida, por isso você deve verificar com antecedência as condições relacionadas aos mesmos
  • Mantenha os documentos importantes (seguros, testamento, informações bancárias, etc.) em um local seguro e certifique-se de que os seus entes queridos sabem onde estão
  • Crie uma lista de todas as suas assinaturas, filiações e registros que terão de ser cancelados
  • Certifique-se de que os planos de funeral estão tratados. Você pode organizar estes planos em conjunto com os seus entes queridos. Eles podem querer sugerir música ou leituras através das quais gostariam de o relembrar. Além disso, você também pode garantir que eles têm conhecimento dos seus desejos. Você pode ainda querer contribuir financeiramente/reservar algum dinheiro para este efeito
  • Embora as pessoas que morrem de câncer possam não conseguir doar muitos órgãos, existe a possibilidade de doar as suas córneas (uma parte dos olhos) depois de morrer. Você também pode pretender doar o seu corpo para investigação médica.4 Se for o caso, certifique-se de que informa a sua família com antecedência
  • Certifique-se de que prepara um testamento. Lembre-se de que, mesmo que tenha vivido com alguém durante muito tempo, se não forem casados, essa pessoa pode não ter automaticamente direito aos seus bens. Dessa forma, certifique-se de que os seus últimos desejos estão bem explícitos
  • Trabalhe em conjunto com essa pessoa para criar uma procuração e um "testamento vital" (também denominado "diretiva antecipada de vontade") para determinar os cuidados que pretende receber caso já não seja capaz de tomar decisões sozinho. Isso pode incluir informações sobre reanimação, alívio da dor, etc
  • Faça planos para os seus animais de estimação e para onde irão depois de morrer
Você pode obter mais informações sobre estes aspectos práticos aqui.

  1. Beyond. How to tell people you’re dying. Available from https://beyond.life/help-centre/preparing-for-death/tell-people-youre-dying/. Last accessed August 2019.
  2. Macmillan Cancer Support. Explaining cancer to children and teenagers. 2016. Available from https://www.macmillan.org.uk/information-and-support/coping/talking-about-cancer/talking-to-children/explaining-cancer.html#308667. Last accessed August 2019.
  3. Beyond. How to explain death to a child. Available from: https://beyond.life/help-centre/grief-loss-bereavement/explain-death-child/. Last accessed August 2019.
  4. Macmillan Cancer Support. Organ and tissue donation. 2015. Available from: https://www.macmillan.org.uk/information-and-support/organising/planning-for-the-future-with-advanced-cancer/advance-care-planning-england-wales/organ-tissue-donation.html. Last accessed August 2019.